Considerações finais sobre o estudo da cor

Por Marcelo Albuquerque   O interesse pela cor é decorrente da minha experiência como artista e como professor. A cor sempre foi um ponto que implicou decisões dramáticas, seja por aspectos compositivos, simbólicos, psicológicos e técnicos. O uso da cor não é uma questão puramente prática; ela implica uma série de conhecimentos adquiridos na história... Continuar Lendo →

Paul Klee

Por Marcelo Albuquerque Assim como Kandinsky, Paul Klee desenvolveu ampla pesquisa teórica e prática entre as relações simbólicas e espirituais da forma e da cor. Impelido por um forte misticismo gnóstico e esoterismo, percebia nas cores e formas uma analogia com as forças da natureza. Para assumir essa expressividade, o artista deveria imergir não só... Continuar Lendo →

Kandinsky

Por Marcelo Albuquerque Kandinsky foi provavelmente o mestre da Bauhaus mais consistentemente envolvido com o ensino da cor. Ele se juntou a Bauhaus em 1922, tendo também elaborado um detalhado programa de instrução para o reformado Instituto de Cultura Artística de Moscou depois da revolução de 1917. Este programa trouxe um proeminente lugar para a... Continuar Lendo →

Johannes Itten

Por Marcelo Albuquerque   Johannes Itten usou o esquema do curso preliminar da Bauhaus em sua escola particular em Viena, entre 1916 e 1918. Ele desenvolveu uma concisa pesquisa da aplicação das cores nas artes plásticas como professor-pesquisador e como artista. Seus principais livros são The Art of Color e The Elements of Color. Segundo... Continuar Lendo →

Pós-impressionismo e a questão das cores

Por Marcelo Albuquerque Foi no modernismo, definido aqui aproximadamente do Impressionismo até a segunda metade do século XX, que a cor alcançou formalmente uma elevação hierárquica em relação à tradição da disputa entre o desenho e a cor. Aparentemente percebe-se, com o triunfo do Impressionismo e Neoimpressionismo, visto anteriormente, que essa disputa se tornou obsoleta.... Continuar Lendo →

Aproximações científicas da cor na arte

Por Marcelo Albuquerque Aponto uma tradição científica da cor na arte como aqueles artistas que, em maior ou menor grau, pesquisam as manifestações da cor com suportes científicos, através da química, física e fisiologia humana, principalmente. Entretanto, a ciência não isenta as obras artísticas da leitura poética ou metafísica, pois, como foi dito anteriormente, as... Continuar Lendo →

O legado de Goethe

Por Marcelo Albuquerque   Foi com a Doutrina das Cores que a dimensão simbólica e sensível da cor alcançou grandes proporções, não vinculando as cores apenas aos aspectos físicos mecanicistas derivados de Newton. De certa forma, foi uma premonição do que viria a acontecer na arte moderna: a cor como possibilidade de expressão autônoma. Entretanto,... Continuar Lendo →

A reação neoclássica e a postura romântica

Por Marcelo Albuquerque Nas minhas disciplinas relacionadas à cor, procuro me apoiar na história da arte e relacionar os estilos e movimentos através de analogias com a cor. Duas imagens me chamam a atenção quando abordo as críticas dos neoclássicos ao rococó: Madame de Pompadour, de François Boucher (1756), e Madame Récamier, de Jacques Louis... Continuar Lendo →

WordPress.com.

Acima ↑