Vanguardas modernas e a questão das cores

Por Marcelo Albuquerque   A sociedade de artistas russos Mundo da Arte, criada em 1898, compartilhava a insatisfação com as academias e procurava aproximar a Rússia da arte da Europa Ocidental. As cores e as composições vibrantes remetiam ao Sintetismo de Gauguin, e ao mesmo tempo declaravam interesse pela arte medieval, pela arte folclórica, pelas... Continuar Lendo →

Pós-impressionismo e a questão das cores

Por Marcelo Albuquerque Foi no modernismo, definido aqui aproximadamente do Impressionismo até a segunda metade do século XX, que a cor alcançou formalmente uma elevação hierárquica em relação à tradição da disputa entre o desenho e a cor. Aparentemente percebe-se, com o triunfo do Impressionismo e Neoimpressionismo, visto anteriormente, que essa disputa se tornou obsoleta.... Continuar Lendo →

Aproximações científicas da cor na arte: impressionistas e neoimpressionistas

Por Marcelo Albuquerque   Aponto uma tradição científica da cor na arte como aqueles artistas que, em maior ou menor grau, pesquisam as manifestações da cor com suportes científicos, através da química, física e fisiologia humana, principalmente. Entretanto, a ciência não isenta as obras artísticas da leitura poética ou metafísica, pois, como foi dito anteriormente,... Continuar Lendo →

Pedagogia da cor e as academias de arte

Por Marcelo Albuquerque   Este texto foi adaptado da minha dissertação de mestrado, intitulada Laboratório de Cor: paradigmas do estudo da cor na contemporaneidade. Aqui procuro apresentar como a cor foi surgindo como uma disciplina específica da área artística, de forma autônoma, até o início do século XX, com as Vanguardas Modernas.  Para auxiliar a... Continuar Lendo →

WordPress.com.

Acima ↑