Cor industrial

Por Marcelo Albuquerque   Percebemos que grande parte dos materiais cromáticos dos artistas modernos derivam da indústria moderna. David Batchelor, um dos autores convidados para este livro, produz um rico trabalho a partir das cores, através de instalações escultóricas. Sua fonte de materiais nos remete à uma tradição do séc. XX, que vai desde os... Continuar Lendo →

Josef Albers

Por Marcelo Albuquerque Josef Albers ingressou com aluno na Bauhaus em 1920 e tornou-se professor em 1925 do Vorkus (Vorlehre). Ficou na Bauhaus até o seu fechamento pelos nazistas em 1933, imigrando a seguir para os Estados Unidos, onde desenvolveu seus importantes estudos pedagógicos da cor. No seu livro A Interação da Cor, influenciou decisivamente... Continuar Lendo →

Paul Klee

Por Marcelo Albuquerque Assim como Kandinsky, Paul Klee desenvolveu ampla pesquisa teórica e prática entre as relações simbólicas e espirituais da forma e da cor. Impelido por um forte misticismo gnóstico e esoterismo, percebia nas cores e formas uma analogia com as forças da natureza. Para assumir essa expressividade, o artista deveria imergir não só... Continuar Lendo →

Kandinsky

Por Marcelo Albuquerque Kandinsky foi provavelmente o mestre da Bauhaus mais consistentemente envolvido com o ensino da cor. Ele se juntou a Bauhaus em 1922, tendo também elaborado um detalhado programa de instrução para o reformado Instituto de Cultura Artística de Moscou depois da revolução de 1917. Este programa trouxe um proeminente lugar para a... Continuar Lendo →

Johannes Itten

Por Marcelo Albuquerque   Johannes Itten usou o esquema do curso preliminar da Bauhaus em sua escola particular em Viena, entre 1916 e 1918. Ele desenvolveu uma concisa pesquisa da aplicação das cores nas artes plásticas como professor-pesquisador e como artista. Seus principais livros são The Art of Color e The Elements of Color. Segundo... Continuar Lendo →

Vanguardas Russas

Por Marcelo Albuquerque   De acordo com Argan, as vanguardas russas são os únicos movimentos de vanguarda a estarem envolvidos no processo revolucionário concreto, com forte carga ideológica, com profundas propostas de transformações estruturais e de operações artísticas[1]. As vanguardas russas têm como características principais dois pontos: o uso de elementos geométricos puros (consequentemente a... Continuar Lendo →

Mondrian e De Stijl

Por Marcelo Albuquerque Em 1917, quando a revista De Stijl começou a ser publicada, Mondrian havia alcançado grande versatilidade como pintor, desde a Hague School, uma escola realista influenciada pela Escola de Barbizon, através do Impressionismo, Fauvismo e uma versão tardia do Pontilhismo até o Cubismo, sempre mostrando um sentimento pela grande simplicidade de cores... Continuar Lendo →

WordPress.com.

Acima ↑