Por Marcelo Albuquerque

O antigo anfiteatro romano de Florença foi construído na década de 120 d.C., fora dos muros da cidade, na direção leste, entre a Piazza dela Signoria e a Piazza di Santa Croce. De forma elíptica, possuía um diâmetro de aproximadamente 126 metros, para aproximadamente 20.000 expectadores. Assim como no anfiteatro de Lucca, o anfiteatro de Florença foi tomado por casas medievais, aproveitando as bases estruturais de concreto e alvenaria, ocupando inclusive a arena, o que não aconteceu em Lucca, onde se preservou a arena, mas como praça (Piazza dell’Anfiteatro). Podemos ver claramente seu formato elíptico em imagens aéreas, delimitando uma espécie de quarteirão, cortado por duas (via dell’Anguillara e via Borgo dei Greci).

lucca.gif

Piazza dell’Anfiteatro, antigo anfiteatro de Lucca. Adaptado do Google Earth, 2017.

SAM_6708.JPG

Lucca: Piazza dell’Anfiteatro. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Lucca: Piazza dell’Anfiteatro. Detalhe das arcadas na forma original. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Outros anfiteatros romanos mais conhecidos são os de Verona, no norte da Itália, de Nimes e de Arles, sendo os dois últimos situados no sul da França. A Arena de Verona, como é mais conhecida, é um dos mais bem preservados de todos os anfiteatros romanos e abriga na atualidade festivais e shows artísticos. Sua provável data de construção se deu no início do período imperial, possuindo registros históricos de movimentos de conservação ao longo da Idade Média.

Arena de Verona e vista noturna da encenação da ópera Aída, de Verdi. Fonte: Wikipédia. Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Verona_Arena. Acesso em: 17 set. 2016.

O anfiteatro ou a Arena de Arles se situa na cidade de Arles, em Provence, no sudeste da França, sendo o maior anfiteatro da Gália antiga. Foi construído no final do século I d.C. no tempo em que os romanos ocupavam maciçamente a Gália enquanto erguiam e fortificavam importantes cidades. O monumento romano está bem preservado, sendo considerado como uma das mais antigas arenas de touradas do mundo. O edifício possui arcos com ordens dóricas e coríntias. Durante a Idade Média o edifício foi convertido em uma cidadela fortificada e habitada, recebendo quatro torres de defesa. Desde o século XIX, após a remoção de estruturas medievais, foi utilizada para as abrigar as touradas.

Arena de Arles e vista interna. Fonte: Wikipédia. Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Arles_Amphitheatre. Acesso em: 17 set. 2016.

A Arena de Nimes, no departamento de Gard, sul da França, perto do aqueduto da Pont du Gard (Aquedutos e pontes), visto anteriormente, compõe como um dos grandes anfiteatros bem preservados, sendo também utilizado regularmente para vários shows e eventos. Construído no final do primeiro século, destinava-se a espetáculos tipicamente romanos, como as execuções e combate entre gladiadores. Na época das invasões bárbaras, o anfiteatro foi convertido em fortaleza, oferecendo abrigo e proteção para os habitantes. Durante a Idade Média, até o século XIX, abrigou lojas e comércios variados, até ser desocupado na segunda metade do XIX para acolher as touradas e outros eventos culturais. Seus arcos são de ordem dórica, sendo os arcos no primeiro nível pontuados por pilares, enquanto o segundo nível é pontuado com meias-colunas. O edifício tem forma elíptica com 133 metros de largura, com aproximadamente 21 metros de altura. Sua capacidade é de 13.000 lugares atualmente.

Arena de Nimes e vista interna. Fonte: Wikipédia. Disponível em: https://it.wikipedia.org/wiki/Arena_di_N%C3%AEmes. Acesso em: 17 set. 2016.

tivoli anfiteatro.jpg

Ruínas do anfiteatro de Bleso, ao lado do Castelo de Tivoli. Tivoli. Fonte: Google Earth, 2017.

SAM_4705.JPG

Castelo de Tivoli. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Veja também: Coliseu