Arco de Tito

Por Marcelo Albuquerque

Saindo do Coliseu em direção ao Fórum Romano, encontra-se o Arco de Tito, construído em 81 d.C. pelo imperador Domiciano. Como vimos anteriormente, um arco de triunfo é uma estrutura monumental, com um ou mais arcos, para celebrar um importante evento relacionado a conquistas políticas, cívicas e militares. O arco comemora a conquista de Jerusalém pelo irmão de Domiciano, Tito, em 79 d.C. A conquista de Jerusalém resultou na destruição do Templo de Salomão, restando apenas os alicerces, conhecidos como o famoso Muro das Lamentações. Outra consequência da conquista foi a Diáspora dos Judeus, momento em que a nação judia se espalha pelo Ocidente e perde definitivamente o poder sobre a Terra Santa, até a criação do Estado de Israel, em 1948. A Via Sacra do Fórum Romano passa sob o Arco de Tito e se estende por todo o monumental fórum. A estrutura consiste em dois grandes pilares ligados por um arco, coroado com ático, que possui inscrições cívicas comemorativas, e no topo havia uma quadriga em triunfo. É decorado com frisos em relevos esculpidos e dedicatórias. Suas meias-colunas compósitas movimentam a fachada da estrutura.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Arco de Tito, 81 d.C., Roma. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

 

Durante o século XIX as feições originais do Arco de Tito foram sendo restabelecidas e restauradas. Entre os elementos ornamentais, destacam-se a pedra da chave do arco, ou pedra angular, em forma de voluta, duas Vitórias aladas nos tímpanos do arco, a cornija ricamente adornada com mísulas e dentículos e os caixotões em relevo da abóbada. No centro da abóbada encontra-se um relevo com a apoteose de Tito. O ático do arco foi originalmente coroado provavelmente com uma quadriga dourada, e encontra-se a inscrição:

SENATVS

POPVLVSQVE · ROMANVS
DIVO · TITO · DIVI · VESPASIANI · F (ILIO)

VESPASIANO · AVGVSTO

(O Senado e o povo romano ao Divino Tito Vespasiano, filho do Divino Vespasiano)

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Arco de Tito, 81 d.C., Roma. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

 

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Arco de Tito, 81 d.C., Roma. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

 

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Relevo da Apoteose de Tito, na abóbada de berço do Arco de Tito, 81 d.C., Roma. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

 

O Arco de Tito celebra as vitórias e os espólios nas guerras judaicas, quando Jerusalém é saqueada, promovendo a expulsão dos judeus da Judéia, conhecida como a Diáspora dos Judeus, no ano 79. Em um dos frisos internos, à direita de quem entra pelo Coliseu, vemos a menorah judaica, o castiçal de sete lâmpadas de propriedade do Templo de Jerusalém. Diversas construções do período de Vespasiano, Tito e Domiciano foram patrocinadas com os espólios da Judéia, como o próprio arco e o Coliseu.

 

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Frisos internos do Arco de Tito, 81 d.C., Roma. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

 

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Frisos internos do Arco de Tito, 81 d.C., Roma. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

 

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Frisos internos do Arco de Tito, 81 d.C., Roma. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

 

Outros frisos comemoram importantes eventos de Vespasiano e Tito, e é importante lembrar que estes eram pintados com cores vivas e ouro, como de costume na arquitetura e escultura. Durante a Idade Média, a família Frangipani transformou-o em uma torre fortificada, com uma extensa muralha que cobria parte do Palatino e do Fórum. Sua restauração iniciou-se na primeira metade do século XIX.

Veja também:

Monumentos triunfais romanos