O arco e as abóbadas romanas

Os textos e as imagens (fotografias, obras de arte e ilustrações) do autor estão protegidas pelas leis de direitos autorais – Lei 9.610/98. Nenhuma parte deste website poderá ser reproduzida ou transmitida para fins comerciais, sem prévia autorização por escrito do detentor dos direitos. Ao citar este website em demais pesquisas acadêmicas, gentileza observar as instruções acima “Como citar artigos deste website – Exemplo”. Para maiores informações, envie e-mail para: historiaartearquitetura@outlook.com, ou acesse CONTATO.

Por Marcelo Albuquerque

Dentre as maiores contribuições da arquitetura, engenharia e estética romana estão o aperfeiçoamento e a utilização dos arcos em larga escala, sendo uma das formas mais influentes na civilização ocidental. Os arcos são, primeiramente, belos e simples; e a multiplicação de suas formas possibilitou rearranjos estéticos sem precedentes na arquitetura, como vemos nas abóbadas, cilindros e cúpulas. Além disso, os arcos permitem uma melhor distribuição do peso e maiores vãos, comparados ao sistema de pilares/colunas e arquitraves gregas. O arco romano funciona através de um sistema de distribuição de cargas que convergem das aduelas para os pilares, travado pela colocação final de uma pedra-chave no meio do vão. Os arcos reduzem os custos de construção por permitirem maiores vãos e menos materiais, além de serem facilmente replicados através das formas de madeira. Sobre a imposta, uma pequena extremidade em balanço, era colocada a forma de madeira que permitia o assentamento das aduelas e da chave do arco.

SAM_4711.JPG

O Coliseu e suas imponentes arcadas. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

ARCO.gif

Elementos do arco romano. Adaptado por Marcelo Albuquerque, 2017.

Abóbada de berço e cimbramento. Fonte: Wikipédia. Disponível em: https://es.wikipedia.org/wiki/B%C3%B3veda_de_ca%C3%B1%C3%B3n. Acesso em: 04 nov. 2016.

Groined_vault_001.png

Abóbada de aresta. Fonte: Wikipédia. Disponível em: https://it.wikipedia.org/wiki/Volta_a_crociera. Acesso em: 04 nov. 2016.

O arco romano, associado ao concreto pozolana (opus caementicium), foi um dos principais elementos arquitetônicos e de engenharia que contribuíram para o desenvolvimento das edificações e sua monumentalidade. Os arcos e as abóbadas poderiam ser também moldados em concreto e revestidos com alvenaria de tijolos.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Fórum de César no Fórum Romano, onde vê-se as ruínas de arcadas de concreto e alvenaria. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Fórum de César no Fórum Romano, onde vê-se as ruínas de arcadas em concreto. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Os arcos primitivos e semiarcos remontam ao Egito Antigo e à Mesopotâmia, como encontra-se na câmara mortuária da pirâmide do faraó Miquerinos, em Gizé. O arco e a abóbada são introduzidos na península itálica pelos etruscos, e estes impulsionarão a arquitetura, a engenharia e a estética romana no futuro. A Porta Augusta, em Perugia, é um dos primeiros exemplos da introdução do arco em escala monumental no vocabulário das ordens clássicas. O arco de triunfo romano, por exemplo, é derivado das portas etruscas. A Cloaca Maxima, o grande esgoto com arcos e abóbadas, que possibilitou a construção e drenagem do Fórum Romano, foi desenvolvida por engenheiros etruscos durante o domínio desses em Roma, no período da Monarquia. Os romanos desenvolveram complexos sistemas de arcadas e abóbadas, abrangendo desde as portas das cidades, esgotos, monumentos triunfais, pórticos e demais edifícios públicos e privados. Certamente, o edifício mais famoso por suas arcadas é o Anfiteatro Flaviano, chamado Coliseu de Roma, com seus 80 arcos completando a circunferência do edifício em cada nível. Entre as abóbadas romanas destacam-se a de berço e a de aresta. Adiante, veremos mais detalhes sobre cada um destes icônicos edifícios.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Arcadas do Coliseu e suas diferentes técnicas de construção de arcos, com pedras ou alvenaria de tijolos e concreto (incluindo restaurações). Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Arcadas do Coliseu e suas diferentes técnicas de construção de arcos, com pedras ou alvenaria de tijolos e concreto (incluindo restaurações). Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAM_4948.JPG

Arcos abatidos de alvenaria de tijolos e concreto na Villa Adriana, em Tivoli. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAM_1783.JPG

Abóbada de berço em concreto romano do Arco de Tito, Roma. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Abóbada de aresta em concreto romano. Termas de Diocleciano, Roma. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Abóbada de aresta em concreto romano. Termas de Diocleciano, Roma. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAM_2229.jpg

Arcadas em concreto romano e alvenaria de tijolos dos Mercados de Trajano, Roma. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAM_2248.jpg

Arcos (e arcobotantes) e abóbadas de arestas moldadas em concreto romano com revestimento em alvenaria de tijolos dos Mercados de Trajano, Roma. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Basílica de Constantino, vista do Palatino. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Veja mais:

A cidade etrusca

Anfiteatros

Aquedutos e pontes

Basílicas

Coliseu

Teatro romano

Termas de Diocleciano

2 comentários em “O arco e as abóbadas romanas

Adicione o seu

Deixe uma resposta para Marcelo Albuquerque Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: