Por Marcelo Albuquerque

Segundo Summerson[1], um edifício clássico é aquele cujos elementos decorativos derivam direta ou indiretamente do vocabulário arquitetônico do mundo clássico, e que o objetivo dessa arquitetura sempre foi alcançar uma harmonia inteligível entre as partes. Essa harmonia inteligível possui variações dominantes denominadas “ordens”. Da mesma forma que a música, a harmonia é alcançada pela proporção de todas as partes de um edifício, cujas funções aritméticas estejam relacionadas entre si. Para o renascentista, a harmonia era alcançada pelo uso de uma ou mais ordens como componentes dominantes. Muitos arquitetos modernos, recorda Summerson, como Auguste Perret, um dos grandes introdutores do concreto armado aparente na arquitetura, são clássicos, pois concebem de acordo com o espirito clássico com materiais contemporâneos[2]. Uma ordem consiste na unidade “coluna-superestrutura” de um templo clássico, centrada nas colunas, entablamentos e cornijas. As ordens se constituem basicamente de um sistema arquitravado (pilar e viga). Um dos maiores legados arquitetônicos dos romanos foi combinar as ordens com os arcos. Segundo Summerson:

As ordens passaram a ser consideradas a pedra de toque da arquitetura, os instrumentos de maior sutileza possível, corporificando toda a sabedoria acumulada pela humanidade na Antiguidade no que diz respeito à arte de construir – quase que produtos da própria natureza (SUMMERSON, 2009, p. 8).

A mais antiga descrição de uma ordem encontra-se em Vitrúvio. Vitrúvio, segundo M. Justino Maciel e Renato Brolezzi[3], tornou-se interlocutor obrigatório da tratadística arquitetônica, tanto para arquitetos quanto para pintores, escultores e músicos. Seu tratado foi o único da Antiguidade que sobreviveu, tornando-se a autoridade maior no assunto. Dos gregos não chegou nada até nós, cabendo a Vitrúvio a transmissão dos conhecimentos e práticas dos helênicos, por escrito, a partir do mundo romano. Sua obra influenciou personalidades e tratados renascentistas, maneiristas e barrocos, assim como os neoclássicos dos séculos XVIII e XIX. Alberti acrescentou a quinta ordem, a compósita, às quatro ordens descritas por Vitrúvio (dórica, jônica, coríntia e toscana). Os tratadistas italianos mais importantes foram Sebastiano Serlio (1537), Vignola (1662), Andrea Palladio (1570) e Scamozzi (1615), que contribuíram para a autoridade simbólica e canônica das cinco ordens clássicas. De acordo com Summerson, o grande feito da Renascença não foi a imitação estrita dos edifícios antigos, como seria feito no período neoclássico, mas sim o restabelecimento da gramática da Antiguidade como disciplina universal[4]. No Renascimento do século XV, Leon Battista Alberti descreveu as ordens, a partir de Vitrúvio, com base nas suas próprias observações das ruínas.

Vitrúvio foi um engenheiro militar que participou das campanhas de César, e após seu tempo de serviço, ofereceu o tratado de arquitetura para o primeiro imperador, Augusto, por volta de 35 a 20 a.C. Constitui-se no primeiro tratado conhecido sobre arquitetura, urbanismo, decoração e engenharia, com comentários filosóficos, éticos e morais acerca do universo arquitetônico. Sendo assim, torna-se obrigatório a leitura desse clássico na formação do estudante de arte e de arquitetura.

800px-vitruvius

Sebastian Le Clerc: Vitrúvio apresentando De Architectura para Augusto, 1684. Xilogravura. Fonte: Wikipédia. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Vitr%C3%BAvio. Acesso em: 04 nov. 2016.

Os antigos talvez achassem que um edifício não poderia ser significativo se não houvesse nenhuma ordem. Também é possível que, ao empregarem as ordens, não como mera decoração, elas seriam instrumentos de controle de novos tipos de estruturas e renovação da linguagem. Apesar de serem estruturalmente inúteis, elas garantem a elegância e controlam a composição tornando os edifícios expressivos e imponentes. Sendo assim, foram combinados os elementos da arquitetura religiosa com a arquitetura secular como forma de transferir todo o prestígio e importância.

800px-Schema_Saeulenordnungen.jpg

Ordens gregas, de Die klassischen Säulenordnungen der Antike Tafel zum Artikel, Baukunst. Fonte: Wikipedia. Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/File:Schema_Saeulenordnungen.jpg. Acesso em: 20 jan, 2017.

É uma prioridade no estudo da história da arte e arquitetura a aquisição de bons dicionários de estilos arquitetônicos, bem ilustrados, para que se estude as ordens, as tipologias, os elementos estruturais e os elementos ornamentais clássicos. Cada ordem clássica possui suas particularidades próprias, e um bom dicionário nos ajuda a reconhecer e nomear seus elementos específicos. Nossas cidades estão repletas desses elementos, a exemplo da arquitetura eclética de fins do século XIX e início do XX.

SAM_13621.jpg

Sobreposição de ordens no Coliseu: (1) dórica, (2) jônica, (3) coríntia, (4) pilar compósito (indeterminado). Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

As três ordens gregas fundamentais, para toda a arte e arquitetura subsequente, se baseiam nas ordens dórica, jônica e coríntia. Uma ordem, de forma geral, constitui-se de regras de proporção, elementos e ornamentos padronizados, podendo haver algumas variações esporadicamente. Os romanos acrescentaram duas ordens clássicas às três ordens gregas (dórica, jônica e coríntia): a Toscana e a Compósita. O Coliseu de Roma é um exemplo clássico das sobreposições de ordens que influenciará os tratadistas do futuro, a partir do Renascimento. Como aponta Summerson, é o edifício que exprime, por excelência, o tema dos arcos e ordens combinados, modelo para vários edifícios do Renascimento em diante.

SAM_5913.JPG

Sobreposição de ordens no Palazzo Pitti, em Florença, e presença de rusticações. Século XV. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

As ordens são relacionadas ao masculino e ao feminino. Vitrúvio relaciona o dórico ao masculino e o jônico ao feminino. As recomendações do tratadista Serlio são específicas em relação ao uso das ordens[5]. Segundo Serlio, a ordem dórica deve ser usada para as igrejas dos santos mais combativos, como São Pedro e São Jorge. A jônica para santos pacíficos e homens de saber. A ordem coríntia seria para as santas virgens e para a própria Virgem Maria. A ordem toscana seria mais adequada para fortificações e prisões. Sobre a ordem compósita, Serlio não tece comentários especiais. Fora das ordens greco-romanas, outras foram desenvolvidas, como a extravagante ordem francesa de Philibert de l’Orme, por volta de 1567, composta por blocos e tambores separados e ornamentação eclética.

Sob a coluna, temos o embasamento, ou plataforma, que na Grécia era formada do estilóbato, em contato com a base da coluna, e o estereóbato, em contato com o chão, em Roma, pelo podium elevado, tradicionalmente. Os capitéis se unem ao entablamento pelo ábaco, que aparenta ser uma peça separada, mas que era geralmente esculpida na mesma peça do capitel. Já o entablamento compreende a arquitrave, o friso e a cornija, e este também sofre modificações de acordo com a sua ordem.

Segundo Vitrúvio, a provável origem das formas e das ordens derivam da carpintaria, em um tempo em que os templos eram feitos de madeira. Os artificies, no período arcaico grego, passaram a imitar em pedra e mármore os elementos arquitetônicos e estruturais. Os triglifos foram criados a partir da ordenação das vigas, assim como os mútulos sob as cornijas surgem a partir das saliências das asnas, como pingadeiras. Os dentículos da ordem jônica são as extremidades estilizadas em pedra das ripas de madeira dos telhados ancestrais.

Summerson[6] chama a atenção de uma regra rígida para diferentes alternativas no uso das ordens desenvolvidas no período romano. Quando se altera o grau de relevo de uma ordem, como por exemplo, de pilastras para meias-colunas, de meias-colunas para colunas de três quartos e colunas de três quartos para colunas livres, o entablamento deve sofrer a mesma modificação, de forma a se projetar mais. Não se pode variar o relevo das colunas sem se alterar o relevo do entablamento.

O espaço entre as colunas, chamado de intercolúnio, foi especificado pelos romanos através de cinco tipos distintos, descritos por Vitrúvio, medidos em diâmetros de colunas. Vejamos:

Picnóstilo: o espaçamento mais fechado, corresponde a 1½ de diâmetro.

Sistilo: o espaçamento que corresponde a 2 diâmetros.

Êustilo: o espaçamento que corresponde a 2 ¼ diâmetros.

Diástilo: o espaçamento que corresponde a 3 diâmetros.

Araeóstilo: o espaçamento mais largo, corresponde a 4 diâmetros.

Os espaçamentos são importantes pois ditam os ritmos harmônicos dos edifícios, transmitindo ideias de marchas lentas ou rápidas, podendo conferir estabilidade, movimento, elegância e dignidade às fachadas, como uma pauta musical[7]. Existem também as variações dos intercolúnios, que podem ser colunas aos pares, pares espaçados de colunas, colunas dispostas no ritmo estreito-largo-estreito e os citados ritmos de pilastras para meias-colunas, de meias-colunas para colunas de três quartos e colunas de três quartos para colunas livres, como se vê na fachada da Basílica de São Pedro, no Vaticano.

SAM_3385.JPG

Fachada da Basílica de São Pedro, Vaticano. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

 

O abade Marc-Antoine Laugier (1713 – 1769) foi um padre jesuíta e teórico da arquitetura que procurou estabelecer as origens primitivas do templo grego. Sua obra mais conhecida foi o Ensaio sobre Arquitetura, de 1753. Em 1755, ele publicou a segunda edição com uma famosa ilustração, muitas vezes reproduzida de uma cabana primitiva. Seu foco foi alertar para “falhas, desvios e usos incorretos” da arquitetura clássica após o Renascimento, especialmente no Maneirismo e Barroco.

Essai_sur_l'Architecture_-_Frontispiece

Gravura do Ensaio sobre Arquitetura, do abade Marc-Antoine Laugier, de 1753. Fonte: Wikipedia. Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Marc-Antoine_Laugier. Acesso em: 20 jan, 2017.

[1] SUMMERSON, Sir John. A linguagem clássica da arquitetura. São Paulo, WMF Martins Fontes, 2009.

[2] SUMMERSON, 2009, p. 5

[3] VITRUVIUS POLLIO. Tratado de arquitetura. Tradução, introdução e notas M. Justino Maciel. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

[4] SUMMERSON, 2009, p. 23.

[5] SUMMERSON, 2009, p. 11

[6] SUMMERSON, 2009, p.18.

[7] SUMMERSON, 2009, p.23-24.